Saudades de Rita


Ritinha, se teus olhos não fossem olhos, e sim estrelas, eu diria que eles não brilham tanto quanto o brilho dos teus olhos.
Se teus olhos não fossem olhos, e sim janelas, não abririam tantos mundos para si.


Que falta faz esse jeito de menina que cresceu antes do tempo, e deixou esse ar de travessura pendurado nas covinhas da bochecha.
Que falta faz essa criatura cheia de hiatos, este varal estendido entre um sorriso largo e um olhar bem triste.
A vida é assim: uns vão, outros ficam. E a saudade é uma ponte imensa, uma ponte sem fim, por onde a alma da gente passa, sem nunca atravessar plenamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog