28 de junho de 2011

Uma história de São João

Foi assim, numa noite de São João, que a sombra da morte lhe lançou o aviso.
Era moço ainda, em seus vinte e poucos anos. Muito o que viver.
Mas as vezes o destino é lavrador imprudente: ceifa sementes ainda mal germinadas...

Era noite fumacenta, como toda noite de bom São João.
No ar, o cheiro incandescente das fogueiras... e os pipôcos dos fogos (BUM! BUM!) estrelando luzes no céu.
Na terra, o chiado das chinelas deitando poeira sobre abraços.
E a cachaça... Ah!!! A cachaça...

Quando o álcool lavou seu juízo, resolveu saltar o fogo.
Seriam três pulos sobre a fogueira. E, depois, olhar a água da bacia para garantir sua permanência no mundo.
Era essa a tradição. Fato certo e comprovado!
Escapou do terceiro pulo com os pêlos da perna chamuscados pelo fogo.
Buscou a bacia.

No reflexo da água, procurou o rosto.
Não encontrou.
Braços e mãos e pescoço e ombros restavam sozinhos, sem uma cabeça que lhes comandasse.
Era ela, a ceifadora, a anunciar que não lhe restaria mais um ano de vida.

A tonteira da aguardente foi embora em um instante.
Restou a visão de um corpo sem cabeça a lhe martelar o juízo como os fogos no céu: BUM! BUM!

Os dias foram passando e a imagem foi, aos poucos, se apagando do pensamento.
Morreu???

Não, está vivo ainda. Mas perdeu a cabeça, sim. De amor!
Largou a família, largou o trabalho, a terra, a cachaça.
Foi embora para sempre e sua história se perdeu no mundo.

Nunca mais viveu outro São João ...

1 comentários:

Josias Geó de Paula Jr. disse...

Ele foi embora com a ceifadora, creio. Repetindo o velho Vinícius de Moraes, que dizia que sua última namorada seria a morte...
Beijo.

 

Palavras-pontes Design by Insight © 2009