Buraco Negro

Esse poço escuro e profundo
de boca escancarada ao infinito
Sempre tão cheio
Sempre tão seco,
Tão bizarro, tão medonho, tão bonito

O azul do céu descortina a escuridão
de um abismo de vazios e possibilidades
a pedra em nosso peito jamais toca o chão
deste oceano de desejos e saudades
A alma se multiplica
em uma caixa tão pequena
que transborda no céu, no poço, no chão
O céu despenca e nos inunda de estrelas
enchendo a alma com sua escuridão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O estupro do anjo

Gritos de Gaza