2 de dezembro de 2008

Solidariedade

A chuva arriou inteira do céu.
A terra desceu dos morros, encheu o mundo, cobriu as telhas.
Os homens se fizeram caranguejos em seus lares de lama.
Verteram pás,
tentaram o desenterro.
As casas desceram na corredeira dos rios,
as roupas, os móveis, memórias e sonhos...
foi-se tudo, numa lavagem imensa,
como se o céu cobrasse um recomeço.

A tempestade de lágrimas saiu na TV.
Inundou outras terras,
as terras de quem morre tragado pelo sol.
E a menina, seca, chorou sem lágrimas
e tirou o raro de si
para mandar de presente aos homens ilhados.

A terra, das enxurradas, é Santa Catarina.
E a menina mora aqui,
bem ao lado,
em nossas favelas,
em nossos sertões.
Chama-se solidariedade.

(Em tempo: a Defesa Civil de Santa Catarina abriu contas bancárias para receber doações que serão revertidas na compra de mantimentos, colchões ou colchonetes, cobertores, alimentos não perecíveis e água potável. O nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ - 04.426.883/0001-57. As defesas civis nos estados estão montando postos de recolhimento. Contribuições devem ser depositadas numa das seguintes contas:
Banco do Brasil – Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7
BESC – Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0.
BRADESCO S/A - 237 Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1)

0 comentários:

 

Palavras-pontes Design by Insight © 2009