15 de setembro de 2009

Tragada pelas horas


O tempo nos talha,
atropela,
atrapalha.

trabalho trabalho trabalho
trabalho trabalho trabalho

durante estes dias de silêncio,
meus dedos viram teclas,
autômatos,
e emparedaram as palavras vivas em meu peito.

O tempo virou relógio:
seus ponteiros eram flechas
apontados para o que era verbo em mim

e os dias passaram como avalanche,
fui tragada por uma rotina de letras murchas.

Estou de volta, finalmente.
Tenho, novamente, as rédeas de meu tempo.

PS: Minha pequena Anaís agora também tem blog.
Acessem: meussegredosanais.blogspot.com

4 comentários:

Magna Santos disse...

Isto é o que eu chamo de um bom galope!Um bom galope num cavalo brabo!
Ufa! Amansa aí, que o bicho é bonzinho também.
Bom ver você de volta.
Abraço.
Magna
Obs.:Fabiana, você me disse algo que eu não ousava falar, mas eu confesso, também pensei sobre o livrinho infantil, pensei até numa peça teatral...eu sou mesmo uma sonhadora!
Ah, amei o poema da tua filha. Criança sabe mesmo das coisas.

Cleyton Cabral disse...

Tava sentindo falta das tuas palavras... beijão!

Juruna Xukuru disse...

lindo o seu blog, gostei das letrinhas, tambem sou sonhador, como é bom poder expressar esse amor,bjs,fio!!!

Dimas Lins disse...

Fabiana,

Assim como você, também andei, ou ainda ando, apanhando do tempo, por isso, escrevo quando posso, sem ansiedade.

Mas desejo, assim como você, tomar as rédeas do tempo, um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho.

Bom tê-la de volta. E de volta em volta, a escrita torna-se um hábito.

Dimas Lins

 

Palavras-pontes Design by Insight © 2009