3 de novembro de 2009

O mar


O mar é parte de sua vida, desde sempre.
Quando criança, fingia-se sereia.
Prendia a respiração,
mergulhava o mais fundo que podia,
e deixava o som das águas criar uma cantiga em seu coração.
Sua mãe tinha medo.
Sonhara,
um dia,
que a menina era tragada pelas ondas,
levada para o azul sem fim.

O mar foi entrando em sua vida, desde sempre.
Na solidão de adolescente,
buscava nas ondas namorados que não tinha,
caminhava sozinha,
enterrando os pés na areia,
a contar segredos ao mar.
E enquanto a mãe reclamava
os sumiços da moça na beira da praia,
enquanto a mãe chorava ausências
a relembrar sonhos antigos,
a velha cantiga crescia na alma da jovem.

O mar tomou-lhe a vida,
como afogamento ou naufrágio.
Mas foi um sonho bonito de se ver...
Ele invadiu aos poucos os sonhos da moça.
E ela fez-se mulher-azul,
mulher-sereia,
imensa de mar.
Vez por outra, transbordava pelos olhos,
em lágrimas desavisadas,
que vinham sem porquês.

Mas, então,
a cidade cresceu à sua volta
e puseram pedras na praia
para que seu mar não derrubasse prédios ao redor.

Hoje,
a tempestade já não avança além das cercas,
mas escorre pelos subterrâneos
enchendo a mulher de um azul sem fim.

5 comentários:

Magna Santos disse...

Que imensidão que ela deve ser.
Que lindo, Fabiana!
Bom ter você de volta, ainda mais tão plena de azul.
Beijos.
Magna

Josias de Paula Jr. disse...

Mulher plena de tempestades, de mar, de azul, e da velha cantiga nutrida desde criança... Cantiga que hoje veste a capa das palavras e se verte em poesia?

ps: Sou Geó sim, Fabiana. Como te falei já, demorei um bocado para perceber que tu eras a Fabiana que conhecia... Só quando colocaste as fotos no blogue...
Sou o amigo de Max, de Serginho, de Sérgio Miguel etc etc.

Aivlis Sego disse...

belezas, belezas essenciais.
manda pra mim o teu e-mail que tenho um presente para te dar. um mimo para a construção das asas.

beijos

Poeta Carlos Maia disse...

Belíssimo, Fabiana, Belíssimo!!!
Parabéns!!!

Dimas Lins disse...

Fabiana,

A mulher que anda na praia, que vive mais no mar do que na terra, que mergulha em sonhos, que afoga dores, que bebe o sal da vida.

Também pudera, o mar quando quebra na praia é bonito...

Dimas Lins

 

Palavras-pontes Design by Insight © 2009